27 de março de 2014

Chanceleres da Unasul se reúnem com estudantes venezuelanos

Estudantes venezuelanos se reuniram no fim da tarde de hoje (26) com chanceleres da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), que estão em Caracas desde ontem (25) para acompanhar e observar as ações do governo venezuelano para devolver a tranquilidade ao país, depois de mais de seis semanas de protestos, que deixaram 36 mortes e ao menos 460 feridos.

O presidente do Centro de Estudantes da Escola de Educação de Los Andes, Inder Romero, afirmou em entrevista coletiva à imprensa, que cerca de 70% dos dirigentes estudantis nacionais participam da reunião. Segundo ele, há representantes dos movimentos estudantis simpatizantes e opositores ao governo de Nicolás Maduro. Até o momento, não foi divulgada nenhuma entrevista de estudantes opositores presentes à reunião.

De acordo com Romero, os estudantes buscam um “debate sadio” de ideias e argumentos para construir um país melhor. O líder estudantil condenou atos de vandalismo, como construção de barreiras em avenidas e queima de lixo em alguns protestos.

Ele disse também que é contra as ações de vandalismo e questionou a identidade de pessoas encapuzadas que participam dos protestos. “Não podemos dizer que é estudante, quem usa capuz, esconde o rosto e impede o acesso da população a espaços públicos”, destacou.

Desde ontem (25), chanceleres estão reunidos em Caracas com representantes dos setores que fazem parte da Comissão Nacional de Paz. Hoje aconteceram reuniões com empresários, representantes de bancos e industriais.

O presidente Nicolás Maduro insiste que há infiltrados da oposição, em meio às manifestações, com o objetivo provocar um golpe de Estado. A oposição, entretanto, nega a participação nos atos violentos e devolve as acusações a grupos civis socialistas, ligados ao governo.

A Mesa da Unidade Democrática (MUD) ainda não aceitou negociar com o governo, alegando que não há condições reais de diálogo e que há repressão por parte do governo, tanto aos estudantes manifestantes, quanto a políticos opositores. Alguns já foram detidos e foram convocadas eleições municipais.

Maduro disse hoje que já chamou integrantes da MUD, entre eles o governador do estado de Miranda, Henrique Capriles, em diversas ocasiões, e disse que até o momento recebeu respostas negativas. Mas alguns políticos de oposição têm participado dos diálogos de forma independente.

Após o término da reunião com os estudantes, os chanceleres, entre eles o brasileiro Luiz Alberto Figueiredo, iriam se reunir na Chancelaria venezuelana para avaliar as reuniões nesses dois dias de trabalho.

 

Fonte: Agência Brasil