Líbia sob ataque: 64 mortos apenas em Trípoli


O presidente da Líbia, Muamar Kadafi, falou neste domingo (20) que haverá “uma longa guerra no país”. Antes do amanhecer, a capital líbia foi alvo de ataques aéreos das forças aliadas. Apenas em Trípoli, há relatos de 64 mortos e mais de 100 feridos, segundo informações do governo líbio. Em reunião neste sábado (19) com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em visita ao Brasil, a presidente Dilma Rousseff advertiu que a ação militar na região poderia levar ao acirramento da violência.

No sábado (19) os países aliados (Estados Unidos, França, Inglaterra, Itália e Canadá) lançaram mísseis sobre a Líbia. Em pronunciamento, Kadafi recomendou que as pessoas reajam aos eventuais ataques, pediu que o povo líbio porte armas e afirmou que ele vai “vencer”.

A intervenção da coalizão imperialista está se intensificando. A ordem para agir ocorreu depois de uma cúpula internacional em Paris – onde se reuniram os chanceleres dos países aliados. O governo do Catar se comprometeu a liderar os países árabes, que também estão prontos para participar da ação. Em poucas horas ontem houve uma ação limitada, liderada pela França, com o sobrevoo do Mirage 2000 e de um Rafale sobre a área da Líbia, destruindo tanques na região de Bengazi.

Aurora da Odisseia

O chefe do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos, almirante Mike Mullen, disse neste domingo (20) que a operação militar Odyssey Dawn (Aurora da Odisseia, em tradução aproximada), iniciada neste sábado (19), conseguiu impor "de fato" uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia. Isso significa que aviões das forças de Muamar Kadafi estão proibidos de decolar e podem ser abatidos pelos caças ocidentais.

Em discurso transmitido pela televisão estatal líbia, Kadafi prometeu uma vitória contra o que chamou de "novo nazismo" e disse que está "armando todos os líbios".

Um funcionário do governo líbio da área de saúde disse que o número de mortos nos ataques aéreos das forças ocidentais subiu de 48, conforme relatado neste sábado, para 64. “As pessoas morreram em decorrência de seus ferimentos, então o total de mortos subiu”, disse.

110 mísseis

No sábado a Líbia foi bombardeada por 110 mísseis Tomahawk, disparados a distância. Segundo relatos, os mísseis atingiram os sistemas de defesa aéreo e comunicação estratégica do governo líbio. O objetivo das autoridades dos países aliados é a destruir as armas das forças aliadas de Kadafi. A Espanha informou que o Exército do país será acionado para o envio de quatro caças F18, aviões de reabastecimento e para manter vigilância marítima, com o uso de uma fragata e um submarino. Aviões das forças aliadas voltaram a bombardear a Líbia neste domingo.

Em 1999, em nome da proteção do povo do Kosovo, os países que integram a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) bombardearam a Sérvia por 78 dias.
 

Da redação, com Agência Brasil e R7