Crédito imobiliário


O Banco do Brasil (BB) anunciou hoje um pacote de medidas para aumentar prazos e limites e baratear o crédito imobiliário, segmento em que a instituição ainda tem pequena participação de mercado. Com a medida, o banco público passa a financiar a compra da casa própria em até 30 anos, prazo já praticado pela Caixa Econômica Federal (CEF) e bancos privados, como o Bradesco e Santander. O limite anterior era de 25 anos.

Além do crédito imobiliário, o BB também anunciou que o prazo para o financiamento para a compra de veículos aumentou de 60 para 72 meses.

Em comunicado à imprensa, a instituição federal anunciou que o menor juro do crédito imobiliário caiu de 8,9% ao ano para 8,4% ao ano. Essa taxa deve ser acrescida da Taxa Referencial (TR) e é oferecida, geralmente, em acordos entre o banco público e empresas públicas para pagamento com desconto em folha de pagamento.

Para clientes que não têm esse perfil, o juro pós-fixado para a compra de imóveis com valor acima de R$ 500 mil, por exemplo, caiu de 12% para 11% anuais, acrescido da TR. Se a operação for prefixada, a taxa recuou de 15,08% para 13% anuais. O limite do valor do imóvel que pode ser financiado no banco aumentou de 80% para 90%. Todas as condições passam a valer já nesta quarta-feira.

"As medidas complementam a iniciativa do BB para facilitar as condições de acesso ao crédito", cita a nota enviada à imprensa. Essas medidas anunciadas pelo banco federal estão em linha com a indicação dada pela Presidência da República que quer que bancos públicos desempenhem papel anticíclico em meio à crise financeira. Nesse esforço, toda a diretoria do BB foi mudada e o presidente da instituição foi trocado, com a saída de Antonio Lima Neto e a entrada de Aldemir Bendine.