Fortaleza


Pelo menos 220 imóveis no Centro de Fortaleza já estão em condições de receber moradores em curto prazo. Outros 440 podem receber reformas ou novas construções habitacionais.

A informação é do coordenador do Plano Habitacional de Reabilitação da Área Central de Fortaleza, Daniel Rodrigues.

A Prefeitura quer dividir a responsabilidade na revitalização do Centro, com a população.

Segundo ele há ofertas para todas as faixas de poder aquisitivo, principalmente para quem ganha entre 3 e 10 salários mínimos. Para moradores de áreas de risco, a Prefeitura não tem novo plano.

Ontem foi apresentada a versão final do plano, no II Fórum do Centro, realizado pela Fundação de Desenvolvimento Habitacional de Fortaleza (Habitafor). Entre 1991 e 2000, o Centro perdeu 5.904 habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nesse período, segundo Daniel, a estrutura do bairro “melhorou ou pelo menos se manteve”. Os novos moradores podem usufruir da proximidade de serviços e comércio: transporte, equipamentos culturais, praças, policiamento, hospitais e escolas não faltam. Não é possível precisar a quantidade de pessoas que aproveitaria a oferta.

Fátima Brandão Barroso é moradora do Centro há mais de 40 anos, reside próximo à Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará. A maior vantagem para ela é ter tudo perto de casa. “Mas à noite e no fim de semana é um deserto!”, lamenta. Conforme Daniel Rodrigues, a falta de moradores cria uma sensação de insegurança.

Para quem sofre o déficit habitacional em Fortaleza e Região Metropolitana, não há qualquer plano específico neste projeto. Segundo Daniel, os imóveis do Centro serão incluídos entre as áreas que podem ser destinadas a moradias populares, mas a entrega de residências a famílias carentes depende do orçamento habitacional da Prefeitura.

Programa Minha Casa, Minha Vida

O senador Inácio Arruda apresentou emenda à Medida Provisória 459 de 2009, que institui o Programa Minha Casa, Minha Vida, que prevê a inclusão de imóveis usados ou requalificados no rol de imóveis que poderão ser subsidiados na aquisição pela população de baixa renda.