Governo reduz superávit


O governo decidiu reduzir sua meta de superávit fiscal primário para 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009, anunciou nesta quarta-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega. O superávit primário é a diferença entre as receitas e as despesas do setor público, sem contar os gastos com juros.

A partir deste ano, a Petrobras ficará excluída do cálculo do superávit primário, segundo o ministro. Na prática, isso significa que a empresa não precisará mais usar parte de seu lucro para pagar juros da dívida do governo.

A meta de superávit primário até o ano passado era de 3,8%, contando com a ajuda da Petrobras. Segundo Mantega, se a Petrobras fosse excluída do cálculo em 2008, o superávit ficaria em torno de 3,3%.

Esse percentual (3%) passará a ser a meta do superávit primário a partir de 2010, de acordo com o ministro.

A redução da meta do esforço fiscal, disse Mantega, tem o objetivo de garantir "um resultado fiscal sustentável".